SSF/RIO

Posts Tagged ‘direitos humanos’

Video Dailymotion sobre direitos humanos

In cidadania, Democracia, dialectics, direitos humanos, history, Politics, sociologia, twentieth century on October 21, 2017 at 1:45 pm
Advertisements

La sociología y los estudios jurídicos en el enseño de los derechos humanos (Libro)

In cidadania, Democracia, dialectics, direitos humanos, history, Politics, sociologia, twentieth century on August 21, 2017 at 1:15 pm

Analisis del problema de la convivencia de derechos en el enseño de los derechos humanos

El desafío del presente trabajo es poner en relieve la diferencia y complementariedad entre los estudios jurídicos y la sociología ante el enseño de los derechos humanos. En los estudios jurídicos, la constatación de que los derechos de un individuo conviven con los derechos de otros no es tratada como un hecho social en el sentido empírico del termo, sino que es un resultado, y acontece únicamente bajo condición. Es la colocación en perspectiva de la actividad de ponderación, característica de los tribunales, que es tenida por indispensable para que sea posible la dicha convivencia de derechos, la cual se revela, pues, un hecho normativo, ideal a ser protegido por los tribunales. Sin embargo, el carácter social histórico de los derechos humanos es incontestable y debe ser llevado en cuenta. En sociología, no es posible dejar de lado el hecho de la correlación de los derechos con los cuadros sociales. Es decir, el hecho social de la fusión parcial entre las prerrogativas de unos y las obligaciones de otros, que precede la actividad de ponderación.

Download versión e-book free

El-sociologico-y-el-juridico-en-el-enseno-de-los-derechos-humanos.

Contra a censura e pelo pensamento crítico

In comunicação social, convenções internacionais, Democracia, desenvolvimento, direitos humanos, públicos, Politics on March 3, 2017 at 4:22 pm

Apoiamos e subscrevemos inteiramente a ação contra a censura e a supressão do pensamento crítico promovida hoje, 3 de Março, pelo Relator Especial das Nações Unidas para a Liberdade de Opinião e de Expressão, David Kaye, juntamente com os relatores especiais da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), a Organização dos Estados Americanos (OEA) e a Comissão Africana dos Direitos Humanos e dos Povos (CADHP) [The United Nations (UN) Special Rapporteur on Freedom of Opinion and Expression, the Organization for Security and Co-operation in Europe (OSCE) Representative on Freedom of the Media, the Organization of American States (OAS) Special Rapporteur on Freedom of Expression and the African Commission on Human and Peoples’ Rights (ACHPR) Special Rapporteur on Freedom of Expression and Access to Information]

Como sabem, os principais observadores da liberdade de expressão em todo o mundo se reuniram para debater sobre a liberdade de expressão e emitir uma declaração conjunta, centrando-se este ano nas chamadas notícias falsas, desinformação e propaganda. Ver press release online

As notícias falsas trazem o risco de que os esforços feitos para combate-las possam conduzir à censura, à supressão do pensamento crítico e outros enfoques contrários aos direitos humanos.

Nessa declaração conjunta, identificamos os princípios gerais que devem aplicar-se a qualquer esforço para tratar essas questões.

 

The Joint Declaration is available here

 

Leia também o artigo de Jacob J. Lumier: http://observatoriodaimprensa.com.br/sem-categoria/o-diferencial-da-liberdade-de-expressao/

 

Jota terno 2016_B

 

 

Jacob J. Lumier – Movimento dos Direitos Humanos

The international counter-offensive of human rights

In conhecimentos universitários, convenções internacionais, Democracia, desenvolvimento, direitos humanos, ensino superior, história, history, movimentos sociais, Politics, século vinte, sociologia, sociologia, twentieth century on March 1, 2017 at 11:34 pm

 

The international counter-offensive of human rights
Original article in Portuguese submitted to the Press Observatory (Observatório da Imprensa) on February 20, 2017
Jota terno 2016_Blink: http://observatoriodaimprensa.com.br/direitos-humanos/reacao-contra-xenofobia-e-racismo/

By Jacob J. Lumier [human rights movement].

 


The electoral rise of right-wing politicians in the world and the refugee catastrophe seemed to impose silence and shrink the international human rights community. However, the story is not quite like that.

 




The astonishment of journalists

  • A few months ago, The Guardian and other important international vehicles commented with surprise on the antipopulista intervention of the High Commissioner of Human Rights, through freedom of the press. He is the outstanding Jordanian diplomat Zeid Ra’ad Al Hussein, who is returning to the scene in style, with a formidable international campaign of formation of financial funds for the concerted action for the human rights in the world, as it published and commented the International newspaper Jurist (University of Pittsburgh).
  • The UN human rights chief diplomat has had an impact in protesting against right-wing politicians who, to win elections in their respective countries, in the context of the refugee catastrophe, galvanize people’s anxiety through opposing and even hostile stances to the guidelines of international human rights law.
  • Suffice it to note the reactionary discourse of the couple of xenophobes and anti-Islamists Geert Wilders, in the Netherlands, and Marine Le Pen, in France, who are hitchhiking on their mentor, the provocative protectionist Donald Trump, also driven by the anti-European vote of brexit, which binds the briton Nigel Farage.
  • Considering that Ambassador Zeid’s statement reveals his determined position not to be silent in the face of the objective coordination of demagogues, populists and politicians who fantasizes, and, contrary to common sense, seem to be betting on the neutralization of the historical engagement of their countries with the Universal Declaration of 1948, the astonishment of journalists seems justified.
  • Global theme
  • Due to the high level of their elaboration, they often represent human rights diplomacy with ethical legal protagonism, especially in the official channels of the international community, such as foundations, institutes, councils and forums, for example.
  • They assume that the ethical approach to diplomacy, based on its effective operation in the mechanisms of the United Nations human rights system, should refrain from demonstrations of resistance against anti-historical ideological outbursts, and that the virtue of this self-control would restrain the motion for the diplomat’s public intervention against provocations during election periods.
  • However, they must take into account the acknowledged finding that diplomacy has had repercussion in the elaboration of human rights as a global theme, summarized in the proposition that only the effective guarantee of the human rights of the population confers full legitimacy to the rulers at the world level, proposition conquered as a fruit of the historic Vienna Conference (1993). Diplomacy would be guided by this search for an effective guarantee, as an engagement of the ruling elites of the states, their historical commitment, guided by the elaboration of the values indispensable to international human rights law.

The Universal Declaration of Human Rights (UDHR, 1948) meant a legal response to the fact that the right of every human being to universal hospitality is denied in practice by the existence of refugees, stateless persons, displaced persons, concentration camps and genocide. Subsequently, the right to have rights enforced the need for universal tutelage, homologated from the point of view of humanity (Hannah Arendt). According to scholars, the delimitation of the state reason, thus placed in perspective, would therefore be on the horizon of human rights diplomacy.

  • Awareness of freedom
  • The social framework of diplomatic action activated by the Declaration (UDHR) actually anticipated the advent of the respective global theme – or is it related to it. It recalls that UDHR 1948 resulted from the political perception that the atrocities of totalitarianism meant an unprecedented rupture with the traditional ethical orientation towards good government. Better: because it is an unprecedented break with all ethics, the simple political perception is overcome; limited to the knowledge of obstacles to the realization of the ideal of society.
  • From this realistic point of view, UDHR 1948 is the highlight of the manifestation of the consciousness of freedom: a concerted action leading to integration as a structural change, which also includes the social awareness of human rights diplomacy, its seeking the membership to revitalize the elaboration of values in light of the aforementioned finding that only the effective guarantee of the human rights of the population confers full legitimacy to the rulers at the world level.

In this sense, the human rights movement is a global social phenomenon, the framework that raises and causes to move the respective diplomatic action.

  • The international counter-offensive of human rights
  • Consequently, the journalists’ astonishment at the alleged daring of the diplomat Zeid should not last. It is just the effort to confront and condemn the internationally coordinated anti-historical ideological flurries of demagogues to offend the greatest achievement of the international community, which is the construction of an international human rights system based on the Universal Declaration of Human Rights adopted 68 years ago.
  • In addition, such unethical attacks of xenophobia, racial and religious segregation, and protectionism aggravate the deep uncertainty that is now spreading throughout the world, where powerful rulers proclaim their desire to build walls among populations, norms and obligations set forth in international conventions are at risk, extremist groups are discovering matter to act and humanity is experiencing massive and impactful suffering, with millions of people forced to flee their homes.
  • Against this backdrop, the diplomat Zeid speaks for thousands of human rights defenders when, through his just protest, he lets us see the international counter-offensive of human rights, not only for giving voice to the commitments of democracy with human rights, but towards criminalizing demagoguery and unethical attacks, abuse of political, social and economic privileges to sow contempt of human rights, confusing mindsets, aggravating people’s distress and their fear of the worst. Instead of demagogy, right-wing politicians should unite to find solutions to complex problems and, before the rulers of underdeveloped countries, to show an example of commitment to civilization.
  • An indispensable initiative
  • Certainly, it is indispensable the clear-sighted initiative to strengthen the Office of the High Commissioner for Human Rights (OHCHR) with a formidable campaign to raise funds for concerted action on human rights in the world, click on the link: http://www.ohchr.org/EN/NewsEvents/Pages/DisplayNews.aspx?NewsID=21178&LangID=E.
  • In addition, there is no shortage of things to do for OHCHR as the executive arm of the UN Human Rights Council. As mentioned by the aforementioned international journal Jurist, dated February 16, [click on the link < http://www.jurist.org/paperchase/2017/02/un-rights-chief-announces-253-million-funding-appeal.php]  OHCHR has raised several concerns only in the last week. On Thursday, the High Commissioner (HCHR) reported that victims of sexual violence in Ukraine [JURIST report] did not receive adequate access to justice or services in the country. On Monday, the HCHR expressed concern [JURIST report] about reports that at least 101 people were killed by Congolese soldiers in conflict in the Democratic Republic of Congo.
  • On the same day, Myanmar authorities have stated that they will investigate whether the police committed crimes against the Rohingya Muslims after the HCHR released a report [JURIST reports] two weeks ago, stating that the treatment of the Myanmar security forces of the Rohingya Muslims probably constituted Crimes against humanity. The report contains interviews with Rohingya refugees, who reveal that security forces have murdered children, pushed people into burning buildings and raped women, among other crimes.
  • Rio de Janeiro, September 20, 2017
    Jacob J. Lumier

El voto sin restricción irrazonable

In análise, cidadania, comunicação social, conhecimentos universitários, convenções internacionais, Democracia, desenvolvimento, direitos humanos, educação, ensino superior, história, history, Politics, sociologia on October 20, 2016 at 3:59 pm

 El voto sin restricción irrazonable

por Jota terno 2016_B

Jacob (J.) Lumier

 

Parte I:

El imperativo de reforma de la ley electoral en Brasil

 

El imperativo de reforma de la ley electoral en Brasil es para superar el hecho de que la dicha ley está articulada sobre un cuadro de referencia que nada tiene a ver con los Pactos De Derechos Humanos.

La ley electoral, en su formulación actual, guarda notada discrepancia con las necesidades del desarrollo.  En especial, segrega una desconfianza ante la baja coherencia de las instituciones, las cuales convocan al voto consciente, pero disfrazan la subordinación a la obligatoriedad coercitiva, tenida esta como más allá de la tomada de consciencia del elector.

El derecho del desarrollo, para la estabilidad de las relaciones sociales en escala de la globalización, y como factor de confianza en la democracia, implica (a) el reconocimiento internacional de que los electores tengan asumido la parte que les cabe en la sustentación de un régimen democrático; (b)  que ese compromiso no sea restricto únicamente a las veleidades de los representantes, como ocurre actualmente en el orden contrario al voto recomendado por los Pactos de Derechos Humanos, esto es, en el orden contrario al voto libre.

La sociedad brasileña no encontró todavía una manera de organizar la ley electoral sobre el voto democrático, y, desproveído de cualquier procedencia histórica desde la Constitución de 1824, así como distanciado del derecho del desarrollo en ese aspecto, el Estado mantiene en su lugar el voto coercitivo con sanciones inadmisibles, que es un modelo electoral segregado y heredado de la dictadura, desde antes de la actual Constitución (1988), en que la obligatoriedad forzada en participar de las elecciones impuestas había sido para los dictadores una cuestión de seguridad nacional.

Esa es la razón de la inautenticidad sospechada por comentaristas y autoridades internacionales, los cuales, implícita o explícitamente, admiten que el voto bajo coerción extiende un mantel de incertezas exponenciales, que solapan la credibilidad de los pactos políticos en Brasil.

El otro lado de esa inautenticidad, su coste, es el elenco de puniciones abusivas en vigor, que cercenan la libertad política, la ciudadanía y hasta la nacionalidad de los electores demócratas contrarios al voto coercitivo, así dañosamente objetivados, pero también violentamente atingidos e impactados, puesto que les es vedada cualquier tentativa de contestación legal o recurso institucional.

La paradoja es que la minoría de ciudadanos que no comparecen para votar (hay muchos), por efecto de la persecución que les objetiva, adquieren status crítico delante del régimen, tornados, de esa forma, opositores farrucos de un sistema extraño a los Pactos de Derechos Humanos, que, además, segrega una autoridad del juicio electoral que, subordinada a esa legislación fuera del cuadro, trata la no comparecencia como deserción y, con abuso de su cargo, torna invalidado el registro de los electores.

El posicionamiento aquí defendido por el autor reconoce, tiene base y suma al mencionado Proyecto De Ley del Senado Brasileño, nº244, de 2006, pero extiende su mirada hacia más adelante, para el debate sobre la combinación más cerrada del derecho interno y del derecho internacional de los derechos humanos, es decir, para la reforma completa de la Ley Electoral, que venga a ser capacitada para suprimir integralmente las puniciones abusivas y reverter su actual disposición, en dirección al justo cuadro de referencia de los Pactos de Derechos Humanos, de que Brasil es signatario.

 


Parte II (em Português)

Educação para a cidadania

 

O desafio posto em relação aos jovens nas democracias que ainda não alcançaram o voto livre é dar-lhes a oportunidade de tornar-se um eleitor consciente para exercer o voto sem restrição irrazoável.

 

  1. Quando se defende o princípio de cidadania há que ter em vista a juventude e o eleitor novato. Se o argumento de que o voto obrigatório com sanções educa é falacioso, como foi constatado no caso de Brasil [i], devem cogitar uma alternativa. Neste sentido, o indivíduo que se registra para obter seu título de eleitor deveria participar de um programa de capacitação do eleitor.

Na situação atual de sua participação, o jovem faz seu registro eleitoral em uma conduta burocrática, e permanece largado como estava antes. A adoção do voto livre[ii] deve ser encaminhada como um procedimento que mudará tal situação no Brasil.

  1. Dar-se-á ao jovem a oportunidade de perceber sua participação na história eleitoral mediante simples capacitação que, combinada ao exercício do voto em primeira vez, transformará a conduta burocrática em ato jurídico político.

A obtenção do registro passará a valer como uma passagem dos círculos familiares e psicológicos para o ambiente mais complexo da cidadania, cumprindo a exigência republicana histórica de educação e de instrução do eleitor novato.

  1. Desta forma, além de ser obrigado unicamente a se alistar na justa idade e a votar em primeira vez, e como condição para receber e entrar em posse de seu título, o jovem, em pequenos grupos, deveria ser obrigado a comparecer e participar de encontros ou reuniões, por uma carga horária mínima indispensável, para ler e comentar uma apostila ou um vídeo com instrução sobre o voto [livre], as eleições e o papel do eleitor no funcionamento do regime democrático representativo, e sua importância para as políticas públicas.

A instância controladora não precisaria aumentar custos para alcançar essa finalidade, já que não mais teria despesas com a desprovida atividade de invalidar registros dos eleitores que não compareceram em eleições passadas.

Em consequência, bastaria reaproveitar os enormes recursos disponíveis nos cartórios e tribunais eleitorais, que se encarregariam da execução desse programa de capacitação, sob a competente supervisão do Ministério da Educação.

  1. Muitos opinam que assumir a causa da Declaração Universal dos Direitos Humanos, das Convenções Internacionais que preconizam o voto livre, e a causa das Nações Unidas em favor da educação para a cidadania não seriam motivos suficientes para a mudança do regime eleitoral e adoção do voto livre. Reclamam que seria necessário um motivo político mais forte para isso.

Na verdade, o motivo político para o voto livre existe sim e data de 1983/84 com a grande mobilização do eleitorado na histórica campanha das Diretas Já, marco fundamental da Abertura Democrática no Brasil. Aliás, o voto livre deveria ter sido instituído nos anos 80/90, houve projetos no Congresso Nacional que sustentaram essa mudança.

***

Notas

[i] Veja o posicionamento do Senado em favor da diminuição do elenco de tais sanções contra o eleitor faltoso (Projeto De Lei Do Senado, Nº 244 de 2006). Na realidade, este projeto pode ser entendido como implicitamente orientado no sentido de um voto obrigatório cujas sanções restringiriam o acesso dos faltosos unicamente aos programas e benefícíos governamentais. Quer dizer, seriam obrigados a votar aqueles que ou integram os serviços públicos, ou participam de políticas públicas, programas do governo e alcançam benefícios ou vantagens de qualquer ordem por este concedidas, em qualquer nível. Fora dessas restrições supostamente razoáveis, o voto seria livre.

[ii] Quase todos os países que fazem respeitar as leis onde o voto é obrigatório impõem multas. Alguns embaraçam publicamente os eleitores que não votam ou vão até recusar-lhes os serviços e os benefícios de programas governamentais. Nada obstante, há na República Federativa do Brasil nítida extrapolação de competência em relação à lei que estabelece punições aos eleitores faltosos. Ao invés de classificar as sanções com respeito aos direitos civis e políticos protegidos pela Convenção Internacional de 1966 (ICCPR), o regime proíbe aos eleitores faltosos praticar qualquer ato para o qual se exija a quitação do serviço militar ou do imposto de renda. Quer dizer, o eleitor faltoso é concebido e abusivamente tratado como nocivo à segurança do país.

Educação para a cidadania

In Bem-estar, cidadania, convenções internacionais, Democracia, desenvolvimento, direitos humanos, educação, Politics, sociologia on July 3, 2016 at 1:41 pm

 

Educação para a cidadania

por Jacob J. LumierJota terno 2016_B

(Observações acolhidas junto ao OHCHR_Forum on Human Rights, Democracy and the Rule of Law)

 

O desafio posto em relação aos jovens nas democracias que ainda não alcançaram o voto livre é dar-lhes a oportunidade de tornar-se um eleitor consciente para exercer o voto sem restrição irrazoável.Sociólogos sem Fronteiras - Rio de Janeiro

 

Quando se defende o princípio de cidadania há que ter em vista a juventude e o eleitor novato. Se o argumento de que o voto obrigatório educa é falacioso, como foi constatado como foi constatado no caso de Brasil (1), devem cogitar uma alternativa. Neste sentido, o indivíduo que se registra para obter seu título de eleitor deveria participar de um programa de capacitação do eleitor.

 

Na situação atual de sua participação, o jovem faz seu registro eleitoral em uma conduta burocrática, e permanece largado como estava antes. A adoção do voto livre (2) deve ser encaminhada como um procedimento que mudará tal situação no Brasil. Dar-se-á ao jovem a oportunidade de perceber sua participação na história eleitoral mediante simples capacitação que transformará a conduta burocrática em ato jurídico político. A obtenção do registro deve valer como uma passagem dos círculos familiares e psicológicos para o ambiente mais complexo da cidadania, cumprindo a exigência republicana histórica de educação e de instrução do eleitor novato.

 

Desta forma, além de ser obrigado unicamente a se alistar na justa idade e a votar em primeira vez, e como condição para receber e entrar em posse de seu título, o jovem deveria ser obrigado a comparecer e participar, por uma certa carga horária, de encontros ou reuniões em pequenos grupos, para ler e comentar uma apostila com instrução sobre o voto [livre], sobre as eleições e o papel do eleitor no funcionamento do regime democrático representativo, e sua importância para as políticas públicas. A instância controladora não precisaria aumentar custos para alcançar essa finalidade. Bastaria reaproveitar os enormes recursos disponíveis e despendidos nos cartórios e tribunais eleitorais, que se encarregariam da execução desse programa de capacitação, sob a supervisão do Ministério da Educação.

 

Muitos opinam que assumir a causa da Declaração Universal dos Direitos Humanos, das Convenções Internacionais que preconizam o voto livre, e a causa das Nações Unidas em favor da educação para a cidadania, não são motivos suficientes para a mudança do regime eleitoral e adoção do voto livre. Reclamam que seria necessário um motivo político mais forte para isso que, evidentemente, além das Diretas já, não existe, haja vista o desvio (papel moderante) de que provém o voto forçado. Na verdade, o motivo político para o voto livre existe sim e data de 1983/84 com a grande mobilização do eleitorado na histórica campanha das Diretas Já, marco fundamental da Abertura Democrática. Aliás, o voto livre deveria ter sido instituído nos anos 80/90, houve projetos no Congresso Nacional que sustentaram essa mudança.

 

Notas

1-Veja o posicionamento do Senado em favor da diminuição do elenco de tais sanções contra o eleitor faltoso (Projeto De Lei Do Senado, Nº 244 de 2006). Na realidade, este projeto pode ser entendido como implicitamente orientado no sentido de um voto obrigatório cujas sanções restringiriam o acesso dos faltosos unicamente aos programas e benefícíos governamentais. Quer dizer, seriam obrigados a votar aqueles que ou integram os serviços públicos, ou participam de políticas públicas, programas do governo e alcançam benefícios ou vantagens de qualquer ordem por este concedidas, em qualquer nível. Fora dessas restrições supostamente razoáveis, o voto seria livre.

2-Quase todos os países que fazem respeitar as leis onde o voto é obrigatório impõem multas. Alguns embaraçam publicamente os eleitores que não votam ou vão até recusar-lhes os serviços e os benefícios de programas governamentais. Nada obstante, há na República Federativa do Brasil nítida extrapolação de competência em relação à lei que estabelece punições aos eleitores faltosos. Ao invés de classificar as sanções com respeito aos direitos civis e políticos protegidos pela Convenção Internacional de 1966 (ICCPR), o regime proíbe aos eleitores faltosos praticar qualquer ato para o qual se exija a quitação do serviço militar ou do imposto de renda. Quer dizer, o eleitor faltoso é concebido e tratado como nocivo à segurança do país.

***

 

 

%d bloggers like this: